Thomas Friedman: “Deveríamos armar o Estado Islâmico?

Thomas-Friedman-Lecture1

Em uma das mais reveladoras manifestações da sociopatia que caracteriza os setores mais belicistas das elites estadunidenses, o colunista estrela do jornal New York Times, Thomas Friedman, sugeriu que, em vez de combater o Estado Islâmico, os EUA deveriam armar o exército terrorista, para permitir que este combatesse o inimigo comum, o Irã.

“Eu desprezo o Estado Islâmico tanto quanto qualquer um, mas deixem-me apenas colocar uma questão diferente: deveríamos armar o Estado Islâmico? Ou deixem-me perguntar isto de outra forma: por que estamos, pela terceira vez desde o 11 de setembro, travando uma guerra em benefício do Irã?”, escreveu Friedman, em sua coluna de 18 de março.

Friedman, que é um dos mais badalados colunistas da grande mídia estadunidense e um dos maiores defensores da hegemonia global dos EUA, tem os seus artigos frequentemente reproduzidos na imprensa brasileira.

Os leitores versados em inglês e com estômago forte podem ler o texto original no sítio do jornal novaiorquino.

2 comments

  1. Veja: “WHAT WOULD IKE DO ? REALCLEARPOLITICS” – um editorial de hoje, 20.3.2015 de Patrick Buchanan. Buchanan e um dos comentarista da diteira “anglo” nos EUA que observam Friedman e a influencia politica pro- Israel como uma distorcao do destino “anti-imperialista republiacano” dos EUA. Buchanan funionava como conselheiro dos Presidentes Nixon, Ford, e Reagan. O primeiro dos presidentes Bush (George Herbert Walker, pai de George o segundo) 1989-1993, tinha sido o primeiro dos “republicanos anglos” de queixar-se, timidamente, contra a influencia israeli na geopolitica dos EUA. Mas com a presidencia de Bill Clinton, 1993-2001, a influencia israeli tinha sido firmanente implantada no Congresso dos EUA . Patrick Buchanan: “U.S. Congress is Israeli-occupied territory!” (O Congresso dos EUA e territorio ocupado por Israel). Logo Patrick Buchanan mais ou menos tem sido “expulsado” do Partido Republicano. Assim o Partido Republicano e agora controlado pelos “pro-israelist. O Partido Democrata esta dividido – a maioria esta dominado pelo casal Clinton que sao “parceiros” das geopolitica israeli. Assim agora existe uma minoria nos EUA que “resista” contra o influencia ominpotente de Israel em Washington e na “midia internacional” , e esta minoria, que incluye os militares (que nisto estao os aliados de Obama ) ), quer uma negociacao com o Ira. Os extremistras islamistas sunnis sao uteis para Israel e os Saudis para PREGAR os EUA, Bretanha, Franca, Alemanha no Oriente como proterores contra o Ira. Os Saudis, os Emires e os Israelis tem o dinheiro para incentivar politicos em Washington….E Washington tem o poder de “cenvencer” os europeus. Viu ? —– http://www.realclearpolitics.com/article/2015/03/20/what_would_ike_do_125990.html

    • New York Times, 19.3.2015: “Israeli election complicates life for Clinton”( Eleicao em Israel complica a aspiracao para a presidencia de Hillary Clinton): O casal Clinton tem sempre a tendencia de favorecer a politica do Israel contra os Palestinos. Agora Hillary Clinton como quasi-candidata do Partido Democrats para a presidencia 2016, esta cabalgando como um artista de circo em dois cavalhos: Os “Democrats judeos e os evangelicos funadamentalistas , favorecem a politica de Netanyahu em Israel, mais os academicos, “latinos”, negros e os americanos jovems menores de trinta, estao contra o apoio dos EUA da politica israeli contra os Palestinos. Os “Republicans” todos favorecem a politica aggressiva israeli.

x

Check Also

O MPF, a Funai e o fantástico mundo dos “espíritos”

Os indígenas brasileiros poderão agora pleitear indenizações por “danos espirituais” decorrentes de ações dos homens ...