A inconveniente revista de Dilma ao “exército de Stédile”

17294061

Na sexta-feira 20 de março, a presidente Dilma Rousseff estarreceu grande parte do País, ao visitar um assentamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em Eldorado do Sul, na região metropolitana de Porto Alegre (RS). O ato da presidente, em seguida às declarações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ameaçando convocar o “exército de Stédile” para defender o governo, e ao ataque de uma “brigada feminina” do MST a um laboratório de pesquisas de biotecnologia em São Paulo, constitui uma evidência da perigosa perda de realidade política que parece acometer o Palácio do Planalto.

A inclinação da cúpula do governo para enquadrar o descontentamento generalizado da sociedade como uma tentativa de desestabilização contra as conquistas sociais do governo petista já havia sido manifestada nas declarações do secretário geral da Presidência, Miguel Rossetto, na tíbia resposta oficial às enormes manifestações de 15 de março. Na visita ao assentamento Lanceiros Negros, a presidente ratificou tacitamente tal interpretação, ao passar a palavra ao líder do MST, João Pedro Stédile, que se encarregou de qualificar as manifestações como expressão da “classe média reacionária”, visão compartilhada pelo grupo palaciano que cerca a presidente. “Deixe o Rossetto cuidando do Palácio e venha para as ruas, onde vamos derrotar a direita e seu plano diabólico”, desafiou Stédile.

É lamentável que a desorientação da presidente Dilma – que se espera seja momentânea – não a deixe perceber que a busca do apoio de entidades como o MST, com uma agenda que também busca debilitar a autoridade do Estado, ajuda a alimentar uma perigosa perda de autoridade, em um momento crítico para o País, no qual a liderança presidencial se faz mais necessária.

Para complicar o cenário, estão em curso evidentes tentativas internas e externas para reviver no País a agenda política do chamado “Projeto Democracia”, iniciativa criada nos EUA, na década de 1980, que já foi bastante atuante no Brasil, tratando de cooptar adeptos locais para desconstruir o Estado brasileiro, suas empresas públicas e as próprias Forças Armadas. Hoje, além de promover a liquidação do que resta dos ativos das empresas públicas, especialmente a Petrobras e as áreas de exploração do pré-sal, a agenda contempla o rompimento do papel brasileiro no grupo BRICS, que vem criando alternativas financeiras ao declinante sistema do dólar.

Nesse contexto, a desorientação política da presidente se torna ainda mais perigosa para os interesses do País.

De fato, há duas realidades que convivem e se entrelaçam: por um lado, o descontentamento com o desgoverno e a perda de autoridade; do outro, interesses que poderão se aproveitar da fermentação causada pelos protestos em favor de uma agenda exógena, que neutralizaria o País, tanto em âmbito regional como no contexto estratégico global.

A saída dessa encruzilhada exige um estadismo renovado, com a sinalização de um novo projeto nacional para reconstruir o destino de grandeza do Brasil, apequenado desde a emergência da chamada “Nova Republica”, cujo esgotamento está à vista de todos.

Para isso, a presidente terá que reconhecer que, a despeito de ter vencido a eleição de 2014, o PT e seu projeto de poder foram derrotados pelas urnas. Ignorar esta realidade significa aprofundar a instabilidade institucional, contra a qual o “exército de Stédile” nada poderá fazer – até porque a sua intenção é lançar mais gasolina na fogueira. Assim, passar os “Lanceiros Negros” em revista acaba parecendo uma paródia de um patético ”bolivarianismo”, além de uma afronta às próprias Forças Armadas e à sociedade brasileira, que rejeita majoritariamente os métodos do MST.

4 comments

  1. Se decide, ou está do lado de lá, dos entreguistas, ou está do lado de cá, dos nacionalistas. Esse pseudo-nacionalismo aliado de latifundiários é só disfarce para os interesses das corporações multinacionais atreladas ao agronegócio.

  2. ENDOSSO OS COMENTÁRIOS DO MARCO.
    PRECISAM DECIDIR TB. SE ESTÃO A FAVOR DO GOLPE OU CONTRA?????
    ESTÃO A FAVOR DA CIA, NSC, E DOS 100.000 AGENTES INFILTRADOS NO BRASIL OU ESTÃO A FAVOR DA PÁTRIA ??????? HEINZE E SEUS COLEGAS DO AGRONEGÓCIO FORAM ARROLADOS PELO JANOT.
    ESTÃO A FAVOR DOS GOLPISTAS DO CLUBE MILITAR OU ESTÃO A FAVOR DA PÁTRIA ?????
    ENTENDO O SEU DILEMA PATRIMONIAL/ CORPORATIVO – MAS O QUE SIGNIFICA ISTO: “a despeito de ter vencido a eleição de 2014, o PT e seu projeto de poder foram derrotados pelas urnas.” !!!!!!!!
    VOU DIZER O QUE PARECE PARA MIM : PARECE GOLPE !!!!!!!!
    GUILHERME

  3. Observado desde fora do Brasil: Existem “entreguistas” e oportunistas entre os “conservadores” mesmo como entre os “socialistas” do Brasil. Mas tambem ha “nacionalistas” entre os “conservadores” mesmo como entre os “socialistas” brasileiros. Agora parece e a hora para conversa entre os nacionalistas “conservadores” e os nacionalistas “socialistas”. Parece que os “nacionalistas” – sejam “conservadores, sejam “socialistas” NAO estejam interesados em outro 1964. Entao a solucao agora e ao minimo um “entendimento” entre os nacionalistas das ideologias diferentes: Para a defesa do Brasil contra “operations” desde “fora”: Propagandisticas, economicas, desestabilicadoras. Parece que entre os militares ativos e dirigentes da seguranca publica – mesmo como entre figuras da esquerda nacionalista – existe o interes de defender o Brasil, igualmente contra os “adversarios” de “fora” como contra os oportunistas domesticos. —- Os “protestos” de 2013 foram ativados desde 2011 por agentes estrangeiros desfarcados como “esquerda europea ” mas na verdade “false flag operations” (os nomes e ONGs estao conhecidos), junto com a “midia internacional” (Exemplo: Spiegel, Deutsche Welle, BBC, Reuters, e a “midia grande” brasileira) aproveitando oportunistas da esquerda radical brasileira e idiotas uteis brasileiros das ONGs estrangeiras. O objetivo era iniciar um “clima” negativo domestico e uma opiniao publica internacional negativa para propiciar outras “operations” contra um Brasil “independente demais”. O “clima negativo” tem apoiado a crisis atual, junto com a situacao economica e geopolitica internacional que nao favorece “independencia” geopolitica do Brasil, nem dos outros paises “independentes”. Mas acima de tudo tem sido o colapso do projeto do PT para um governo confiavel, junto com a perda de etica entre setores do empresariado brasileiro e entre politicos tambem de outros partidos. —- O MST esta infiltrado desde muitos anos por influencias de “false flag operations” desfacarcados como “esquerda” europea e “humanista$” de EUA, para quebrar a coesao nacional com radicalismo arcaico e contra a agricultura de exportacao como elemento economico. Igualmente parece ha individuos no setor militar e da seguranca que “desconhecem” os objetivos geopoliticos da OTAN na Sul-America e Atlantico Sul. 15.3.2015 e 13.3.2015 foram mensagems : 2015 e a hora dos nacionalistas para conversar- sem “luta de ideologias”. Ha nacionalistas no Brasil ? 150,000 voluntarios trabalharam sem compensacao durante a COPA, nas ruas, nos postos de turismo, nos aeroportos, aoredor dos estadios! Os turistas internacionais aplaudiam ! Viu ?

x

Check Also

Brasil: a urgência de um “Momento Hamilton”

Após a família Mesquita, no tradicional “Estadão”, coube aos irmãos Marinho utilizarem um editorial de O Globo ...