Ugandenses expulsos de terras por esquemas de créditos de carbono

O caráter neocolonial do ambientalismo radical tem sido ressaltado por um número crescente de comentaristas, mas acaba de ser demonstrado de forma cabal em Uganda, onde camponeses foram expulsos de suas terras para dar espaço a um projeto privado de reflorestamento baseado em um esquema de créditos de carbono. A expulsão dos camponeses se deu de forma violenta, com o recurso a forças militares, que incendiaram casas e provocaram mortes. A finalidade do projeto é converter as terras usadas para a agricultura em florestas plantadas, com o objetivo de gerar créditos de carbono para serem comercializados no mercado europeu – que, como se sabe, são instrumentos financeiros criados a pretexto de ajudar a reduzir as emissões de carbono supostamente causadoras do chamado aquecimento global. Como observou com propriedade o editor do sítio Prison Planet.com, Paul Joseph Watson (23/09/2011), trata-se de “uma chocante demonstração de como a tramoia das mudanças climáticas é uma forma bárbara de neocolonialismo”.

Um dos escassos relatos do caso na grande mídia foi uma reportagem do New York Times de 21 de setembro, na qual o jornalista Josh Kron descreve a patranha com detalhes.

A ação das tropas armadas se deu por encomenda da empresa inglesa New Forests Company, que se dedica à aquisição de terras e à plantação de florestas artificiais em Uganda, Tanzânia e Moçambique, inseridos em um esquema de créditos de carbono, em parceria com a agência de investimentos do Banco Mundial e do Hongkong and Shanghai Banking Corporation (HSBC). No conselho de administração da empresa, têm assento o diretor de investimentos do HSBC, Sajjad Sabur, além de ex-integrantes do banco de investimentos estadunidense Goldman Sachs.

Segundo o seu sítio, a empresa tem mais de 20 mil hectares de terras em Uganda e se define como:

(…) uma companhia florestal baseada no Reino Unido, sustentável e socialmente responsável, com plantações estabelecidas e rapidamente crescentes e a perspectiva de uma base de produção diversficada, para mercados de exportação locais e regionais, que proporcionarão tanto retornos atrativos aos investidores e significativos benefícios sociais e ambientais.

Em 2005, o governo ugandense cedeu à New Forests o direito de exploração das terras em três distritos do país, nas quais a empresa está plantando pinho e eucalipto. O problema é que as terras já eram ocupadas e, segundo um relatório recentemente divulgado pela ONG britânica Oxfam, cerca de 20 mil pessoas foram expulsas de suas terras pela ação da empresa, com o emprego de métodos de terror e violência. Os aldeões expulsos afirmaram que “forças de segurança” fortemente armadas atacaram os vilarejos, incendiando casas e causando a morte de uma criança, no incêndio da casa em que vivia. Jean-Marie Tushabe, pai de duas crianças, disse: “Nós estávamos na igreja… Eu ouvi tiros disparados para o alto… Carros vieram junto com a polícia… Eles invadiram as nossas casas. Levaram os nossos pratos, copos, colchões, cama, travesseiros. Então, nós os vimos retirando caixas de fósforos dos seus bolsos.”

Tanto o governo ugandense como a New Forests consideram a presença dos aldeões nas terras como ilegal e, segundo o jornalista, a sua expulsão se deveu “a uma boa causa: proteger o meio ambiente e ajudar a combater o aquecimento global”.

Em uma observação lúcida e pouco comum entre jornalistas da grande mídia, Josh Kron escreve: “O caso gira em torno de um mercado multibilionário do comércio de créditos de carbono nos termos do Protocolo de Kyoto, que contém mecanismos de transferência da proteção ambiental às nações em desenvolvimento.”

Uma fonte do governo ugandense afirmou ao jornalista que a ação violenta de expulsão dos aldeões das terras cedidas à empresa britânica foi conduzida por policiais e políticos corruptos, agindo à margem da lei. Já a New Forests respondeu às denúncias da Oxfam com uma declaração digna de Pôncio Pilatos: “O nosso entendimento é o de que esses reassentamentos foram legais, voluntários e pacíficos (sic) e as nossas primeiras sondagens confirmaram essa impressão.”

Os arreglos da New Forests na África são emblemáticos dos grandes negócios que têm sido articulados em muitos países em desenvolvimento, sob o nobre pretexto de enfrentar as mudanças climáticas alegadamente influenciadas pela ação humana. Mas, de humano mesmo, o que temos visto são ações abertamente criminosas como a da empresa britânica, em conluio com governos sequiosos de receber vantagens financeiras das antigas potências coloniais, para as quais a proteção ambiental passou a ser a nova face do antigo “fardo civilizador do homem branco”.

One comment

  1. Urge pulverizar os monopólios, para acabar com essas ladroagens.

x

Check Also

A “retomada verde” da OTAN

Por Lorenzo Carrasco e Geraldo Luís Lino Desde a implosão da União Soviética e do ...