No México, López Obrador detona “Máfia Verde”

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, desfechou um dos mais duros golpes já experimentados pelo aparato ambientalista-indigenista internacional em toda a sua longa história de intervenções antidesenvolvimentistas em dezenas de países. Na sua tradicional entrevista coletiva quase diária, em 28 de agosto, AMLO, como é mais conhecido o mandatário, acusou as organizações não-governamentais (ONGs) mexicanas de receber fundos estrangeiros para fazer campanha contra o Trem Maia, uma das principais obras da sua gestão e um dos maiores projetos de infraestrutura realizados no país em décadas.

“Tenho informação de que todas as organizações supostamente independentes, não-governamentais, da chamada sociedade civil, recebem dinheiro, algumas do estrangeiro, para se oporem à construção do Trem Maia”, disse ele (Diario ContraRéplica, 28/08/2020).

No evento, o porta-voz da Presidência da República, Jesús Ramírez Cuevas, mostrou um quadro listando as ONGs engajadas na campanha e suas fontes de financiamento. As ONGs são:

– Consejo Civil Mexicano para la Silvicultura Sostenible (CCMSS);

– Due Process of Law Foundation (DPLF);

– Centro Mexicano de Derecho Ambiental (CEMDA);

– Animal Político;

– Indignación, Promoción y Defensa de lós Derechos Humanos;

– Consejo Indígena y Popular de Xpujil (CRIPX);

– Diálogo y Movimiento (DIMO);

– Mexicanos contra la Corrupción y la Impunidad;

– México Evalúa.

Segundo o jornal El Heraldo de México (28/08/2020), o CRIPX e a Indignación conseguiram paralisar as obras de dois trechos do projeto, por meio de medidas judiciais.

O quadro aponta os financiadores externos das ONGs:

– W.K. Kellog Foundation;

– Ford Foundation;

– ClimateWorks Foundation;

– National Endowment for Democracy (NED);

– Rockefeller Foundation.

Ou seja, estamos diante do conhecido esquema de intervenção política antinacional e antidesenvolvimentista que este Alerta denomina a “Máfia Verde”, o qual temos denunciado desde o início da publicação deste boletim, em 1992. No caso, como diz um ditado brasileiro, só muda o endereço.

Na entrevista, López Obrador cobrou: “Eu gostaria que essas organizações assinaladas e as empresas que lhes dão dinheiro esclareçam se é certo ou não, porque se disfarçam por dinheiro de ambientalistas, se disfarçam também por dinheiro de defensores de direitos humanos.”

A reportagem do El Heraldo dá mais detalhes sobre as doações recebidas pelas ONGs:

– CRIPX: US$ 565.377;

– CEMDA: US$ 1,3 milhão;

– DIMO: US$ 420.580;

– DPLF: US$ 2,4 milhões;

– Indignación, Promoción y Defensa de los Derechos Humanos: US$ 620.570;

– CCMSS: US$ 7,7 milhoes.

Outros doadores citados pelo jornal são a Fundação Heinrich Böll, do Partido Verde da Alemanha, e o Fundo de Oportunidades Globais do Ministério de Assuntos Exteriores do Reino Unido.

No vídeo da coletiva, López Obrador se refere ao assunto entre 1:22.00-1:24:00 e entre 1:40.00-1:47.00.

O Trem Maia é uma ferrovia de 1.554 quilômetros que se estende pelos cinco estados da Península de Yucatán, para transporte de cargas e passageiros. O projeto, orçado em cerca de 7 bilhões de dólares, teve início em 2018 e deverá iniciar as operações em 2024.

A iniciativa de López Obrador é um dos mais contundentes desafios à “Máfia Verde”, que, como no Brasil, atua há décadas no país, investindo com ênfase especial contra projetos hidrelétricos. Oxalá o seu exemplo seja seguido por outros governantes.

Vale recordar que, no início de 2020, foi lançada no México a terceira edição do livro Máfia Verde: ambientalismo, nuevo colonialismo, publicado pela Capax Dei Editora, com um capítulo sobre as operações do aparato “verde-indígena” no país.

x

Check Also

A “Nova Economia para uma Nova Era”, nova investida para a “financeirização” da Amazônia

A manchete do “Estadão” de 13 de agosto estampou com destaque: “Brasil pode ganhar R$ 2,8 trilhões ...