Palestra: Lorenzo Carrasco no IAV-USP


No último dia 28 de maio, o jornalista Lorenzo Carrasco, presidente do conselho editorial desta Resenha, proferiu a palestra “O fator científico-tecnológico na presente mudança de época global: o caso da Rússia”, no Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IAV-USP).

Na oportunidade, diante de uma plateia de acadêmicos, militares e outros profissionais, Carrasco discorreu sobre as implicações do discurso do presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, em 1º de março deste ano, no qual apresentou uma revolucionária coleção de armamentos baseados em tecnologias consideravelmente mais avançadas do que as disponíveis em qualquer outro país (ver Resenha Estratégica, 07/03/2018).

“Cada uma dessas armas constitui uma façanha tecnológica em si própria e, em conjunto, sinalizam com um virtual xeque-mate na estratégia de fustigamento e cerco da Federação Russa com bases da OTAN [Organização do Tratado do Atlântico Norte], sistemas de defesa antimísseis e manobras navais nas vizinhanças das águas territoriais russas”, disse Carrasco.

Ademais, aduziu, “todas as tecnologias envolvidas demonstram grandes avanços em áreas como novos materiais, microeletrônica, comunicações e inteligência artificial, com vastas possibilidades de aplicações na indústria civil, evitando o calcanhar de Aquiles da antiga tecnologia militar soviética, que se revelou incapaz de oferecer tais subprodutos”.

Carrasco observou que tais iniciativas russas resultaram do ostensivo abandono dos tratados de limitações de armas antimísseis pelos EUA, desde o governo de George W. Bush, com a consequente instalação de sistemas do tipo nas fronteiras da Federação Russa, sob o pretexto de “proteção” contra inexistentes mísseis nucleares do Irã.

Além dos aspectos estratégico-militares-tecnológicos, ele abordou também a parceria russa com a China para o desenvolvimento da vasta região eurasiática, principalmente, com grandes projetos de infraestrutura energética, viária e de comunicações, a chamada Iniciativa Cinturão e Rota, para a qual já existe uma robusta infraestrutura financeira com instituições fora da influência anglo-americana.

Carrasco finalizou discorrendo sobre os desafios que esse novo cenário global apresentam para o Brasil, principalmente, quanto à urgente necessidade de definição de um novo projeto nacional de desenvolvimento, no qual esteja contemplada uma atuação decisiva no processo de integração física e econômica da América do Sul.

O vídeo da palestra está disponível no Youtube.

x

Check Also

Santa Sofia e Jerusalém, duas faces da mesma moeda do “choque das civilizações”

Em 10 de julho, o presidente turco Recep Erdogan anunciou em cadeia nacional de televisão ...