O "poder inteligente" e os "canhões de agosto"

Apesar das sucessivas demonstrações dos limites do poderio militar como instrumento de política externa com as quais têm se deparado, nas últimas duas décadas, os círculos supremacistas do Establishment anglo-americano continuam apostando nele para a estratégia de preservação da sua crescentemente questionada hegemonia global. O pressuposto básico que continua fundamentando a sua agenda estratégica é o de que não existe alternativa à hegemonia do poder e do “excepcionalismo” estadunidense, o qual está na raiz de concepções como a do “poder inteligente” (smart power), que tem sido propagandeado pela secretária de Estado Hillary Clinton, como a nova diretriz estratégica da atuação dos EUA no cenário global. Em um artigo publicado em 18 de julho na revista inglesa The New Statesman e reproduzido em jornais de todo o mundo (inclusive no “Estadão” de 29 de julho), Hillary dissertou sobre “A arte do poder inteligente”. O texto conclui com uma categórica e arrogante advertência ao mundo:

Não existe na História um precedente real do papel que desempenhamos ou das responsabilidades que assumimos, e não há alternativa. Isto é o que torna tão excepcional a liderança estadunidense, e é por isso que estou confiante em que continuaremos a servir e defender uma ordem global pacífica e próspera, por muitos anos ainda.

Seguramente, existem poucos precedentes históricos de uma tamanha manifestação de arrogância imperial por parte de um representante do governo de qualquer país, desde que o Homo sapiens sapiens começou a se organizar em estados e nações e passou a dedicar-se a conquistar e submeter outros povos.

Além disso, os interesses institucionais intrínsecos do “complexo de segurança nacional” e suas interconexões com o sistema financeiro internacional, também, impoem a sua dinâmica peculiar na agenda política, contribuindo para criar um cenário de alto potencial explosivo e com situações em que qualquer incidente pode deflagrar um conflito de grandes proporções e consequências imprevisíveis.

Em uma recente reunião com um alto oficial militar europeu, o comandante militar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), almirante James Stavridis, sintetizou a sua percepção do cenário estratégico-político internacional com uma frase curta e agourenta: “Nós estamos em 1914 (De Defensa, 3/08/2012).”

Para os conhecedores da História, a avaliação do líder militar da Aliança Atlântica remete à trágica combinação de erros de cálculo, imprudências e ações deliberadas, que, em agosto de 1914, se traduziu nos sucessivos ultimatos e declarações de guerra que confluíram na I Guerra Mundial. Em especial, o almirante se referia à percepção de “automatismo” assumido pelos fatos, depois que certas decisões fatais foram tomadas pelos líderes europeus da época, que deixou em numerosos historiadores do conflito a impressão de que, a partir de um certo ponto, a dinâmica de guerra se impôs às tentativas feitas à última hora para impedi-la. Embora se desconheçam os detalhes da conversa de Stavridis com seu colega europeu, ele pode ter pensado, por exemplo, no desespero do imperador alemão Guilherme II, pedindo a seu primo, o czar Nicolau II, para não ordenar a mobilização do Exército imperial russo, devido ao ultimato do Império Austro-Húngaro à Sérvia (onde um terrorista havia assassinado o arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono de Viena), situação considerada casus belii para o Estado-Maior germânico. Mas também não se sabe se ele pensou no afã do primeiro lorde do Almirantado, o jovem e belicoso Winston Churchill, que ardia de desejo por um conflito armado e foi um dos principais artífices da declaração de guerra do governo britânico à Alemanha, que o premier Henry Asquith queria evitar a todo custo (não por acaso, Churchill é o grande ícone dos círculos ultrabelicistas do Establishment anglo-americano).

Tais fatos foram magistralmente descritos pela historiadora estadunidense Barbara W. Tuchman, em seu livro Canhões de agosto (Objetiva, 1994), que lhe valeu um Prêmio Pulitzer e era um dos favoritos do presidente John F. Kennedy. Como se sabe, Kennedy mandou distribuir exemplares do livro entre altos funcionários do governo e oficiais militares e extraiu dele preciosos ensinamentos, que muito ajudaram a orientar a sua atitude durante a Crise dos Mísseis de Cuba, em outubro de 1962, quando foi decisivo para evitar o confronto nuclear desejado pelos “falcões” militares e civis de seu governo.

Quase um século depois, uma visão dos acontecimentos em curso no Oriente Médio deixa em qualquer observador minimamente atento a impressão de que, efetivamente, este agosto guarda sombrias semelhanças com o daquele ano fatídico em que o mundo mergulharia na mais sangrenta das guerras travadas até então. Na atmosfera carregada de vapores explosivos, resultante da combinação do conflito na Síria, a campanha de pressões contra o Irã (incluindo um bloqueio econômico e operações clandestinas equivalentes a atos de guerra, sem falar nas ostensivas ameaças de Israel) e a onipresente questão palestina, qualquer evento singular tem o potencial de deflagrar uma escalada de ações militares que, em última análise, pode resultar num conflito regional de alta intensidade.

Na Síria, a interferência externa na rebelião contra o governo do presidente Bashar al-Assad é cada vez mais ativa e visível, sendo admitida abertamente pelo presidente estadunidense Barack Obama, que determinou que o Departamento de Estado encontre formas “encobertas” de apoiar os insurgentes do chamado Exército Livre da Síria (FSA, em inglês). Por ironia, a decisão ocorre no momento em que as atrocidades do FSA contra simpatizantes do regime de Assad começam a se tornar inocultáveis para a mídia ocidental, que até agora vinha tratando o grupo como uma coligação de paladinos em luta por “democracia” no país.

A sem cerimônia dos belicistas oligárquicos chega ao ponto de justificarem a mobilização de combatentes da rede terrorista Al-Qaida (que, de resto, já operam na Síria) para injetar disposição no FSA. Em um comentário publicado em 6 de agosto, no sítio do Conselho de Relações Exteriores (CFR), o senior fellow para Assuntos do Oriente Médio, Ed Husain, afirmou, sem qualquer pudor:

Os rebeldes sírios seriam incomensuravelmente mais fracos hoje, se não contassem com a Al-Qaida em suas fileiras. De um modo geral, os batalhões do FSA estão cansados, divididos, caóticos e inefetivos. Sentindo-se abandonadas pelo Ocidente, as forças rebeldes estão se desmoralizando, crescentemente, na medida em que se defrontam com o armamento superior e o Exército profissional do regime de Assad. Porém, os combatentes da Al-Qaida podem ajudar a levantar o moral. O influxo de jihadistas traz disciplina, fervor religioso, experiência de batalha do Iraque, financiamento de simpatizantes sunitas no Golfo e, o mais importante, resultados letais. Em suma, o FSA necessita da Al-Qaida já.

Poucas vezes, a enfermidade mental dos supremacistas da oligarquia anglo-americana ficou tão explícita em um texto tão conciso. Em um único parágrafo, o autor deixou de lado qualquer prurido de pendor “democrático” – justificativa oficial para o apoio aos rebeldes sírios -, além de admitir que a Al-Qaida é um ativo de inteligência de tais círculos de poder. Para completar, ele afirma: “O cálculo político não declarado entre os formuladores de políticas é, primeiro, livrar-se de Assad – enfraquecendo a posição do Irã na região – e, depois, lidar com a Al-Qaida.”

Ou seja, para o propósito da “mudança de regime” em Damasco, qualquer recurso é válido, mesmo recorrer aos terroristas contra os quais, oficialmene, o governo dos EUA declarou a “guerra ao terror”, em 2001.

Enquanto isso, outros fatores contribuem para aumentar a concentração de vapores explosivos na atmosfera da região:

– a interferência crescente da Irmandade Muçulmana nos combates, mobilizando grupos armados sunitas para o conflito – o que, por sua vez, está levando as minorias alauítas, xiitas, drusas e cristãs, que formam o tecido social sírio, a também se armarem, aumentando as perspectivas de conflitos sectários;

– a “guerra de inteligência” entre a Síria e a Arábia Saudita, que, entre outras ações ofensivas, resultou no atentado à bomba ao QG dos serviços de segurança sírios em Damasco, em 18 de julho, no qual morreram três altos funcionários do regime, inclusive o ministro da Defesa; em uma possível retaliação, quatro dias depois, uma explosão teria ocorrido na sede do serviço de inteligência saudita, em Riad, na qual teria sido morto o príncipe Bandar bin Sultan Al-Saud, ex-embaixador em Washington e recém-nomeado para o cargo – rumores reforçados pelo fato de Bandar não ter aparecido em público desde a sua nomeação;

– a presença de três grupos de batalha da Marinha dos EUA na região, sendo dois no Golfo Pérsico e um terceiro a caminho, ao mesmo tempo em que uma força naval russa encontra-se ancorada no porto sírio de Tartus e dois destróieres chineses estão no Mediterrâneo, para visitas a portos “amigos”, pela primeira vez desde 2002;

– o ataque de um grupo terrorista a um posto policial egípcio no deserto do Sinai, na fronteira com Israel, que deixou 16 policiais mortos; embora os atacantes não tenham sido identificados, o objetivo claro do ataque é criar mais atritos nas já conturbadas relações egípcio-israelenses;

– a nova rodada de sanções contra o Irã, aprovadas pelo Congresso dos EUA em 1º. de agosto, punindo quaisquer empresas ou indivíduos que tenham relações com empresas energéticas iranianas ou vendam petroleiros ao país – que alguns observadores comparam às sanções adotadas pelo governo estadunidense contra o Japão, em 1940-1941, que muito contribuíram para levar o Império Nipônico a atacar os EUA.

Essa perigosa combinação de fatores resulta da visível frustração dos círculos belicistas estadunidenses e europeus com a inesperada resistência demonstrada até agora pelo regime de Assad. Frustração que se transforma em um virtual desespero, na medida em que a crise sistêmica global se aprofunda e leva um número crescente desses supremacistas a considerar a opção por um novo conflito regional – que, forçosamente, teria repercussões planetárias – como uma forma de preservação da sua hegemonia estratégica.

x

Check Also

Santa Sofia e Jerusalém, duas faces da mesma moeda do “choque das civilizações”

Em 10 de julho, o presidente turco Recep Erdogan anunciou em cadeia nacional de televisão ...