Haja celulares para “grampear” o Brasil real – Editorial

cr3l24o84uquczn7kcpmuq1vw

Editorial do Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Energético (Ilumina), em 26 de novembro de 2015

O dia 26/11/15 pode ficar marcado como um dos raros momentos onde os “negócios” oclusos e escusos escapolem das mãos de alguns gestores do país e estarrecem o cidadão.

A revelação de planos para atrapalhar as investigações da operação Lava Jato por parte do líder do governo no Senado Federal é ameaçadora não só pelo fato em si, mas pela crescente desconfiança de que a sociedade brasileira está “por fora” das reais artimanhas que definem sua vida.

A evidência de que existe uma rede de conexões totalmente desconhecida da sociedade brasileira são muito fortes, o que transforma pessoas e entidades que se baseiam apenas em princípios republicanos em perfeitos idiotas.

É preciso lembrar que o personagem principal do espantoso quadro desse dia tem muito a ver com o setor elétrico brasileiro. O então diretor de Gás e Energia da Petrobrás, no governo FHC, Delcídio do Amaral, foi o mentor dos contratos da empresa com as térmicas “merchants” Macaé, Eletrobolt e MPX. Esse estranho “negócio” previa que a Petrobrás era responsável pela construção das usinas, mas só teria algum retorno se o preço no mercado de curto prazo ultrapassasse US$ 61/MWh. O imbróglio jurídico foi de tal ordem que a maneira encontrada para estancar o prejuízo foi comprar as usinas.

Essa maneira de fazer negócios envolvendo o setor público inspira o Ilumina a examinar as consequências do leilão de usinas hidroelétricas, ocorrido no mesmo dia do caso Delcídio.

O que é espantoso é que, agora, depois do fato ocorrido, depois de contratos assinados, a imprensa venha “informar” que “a tarifa do consumidor deve subir”.

http://oglobo.globo.com/economia/negocios/com-novo-modelo-de-concessao-usinas-terao-custo-extra-de-274-bi-ja-em-2016-18145026

http://www.valor.com.br/empresas/4330296/consumidores-vao-pagar-na-tarifa-por-outorga-de-usinas

http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,empresa-chinesa-vence-disputa-por-principais-usinas-de-leilao-de-energia,10000002921

Estranhamente, nenhuma reportagem anterior ao leilão esclareceu que esse “sucesso” fiscal também iria desembocar no bolso dos consumidores.

O Ilumina cansou de chamar a atenção de que a Medida Provisória 688 representa uma inacreditável e grave quebra de princípios. Há três anos, o governo fazia uma brutal e inédita intervenção no setor elétrico, baseada em teses totalmente opostas às que foram adotadas no leilão do dia “Delcídio”.

Infelizmente, por razões muito estranhas, o Ilumina tem sido pouco ouvido pela imprensa.

Para reforçar a desconfiança de que os movimentos efetivos que comandam nossa vida estão submersos, o Ilumina, apenas a título ilustrativo, lembra que a nota técnica 385/2012 – SER/SRG/ANEEL, que pomposamente definiu os custos operacionais de usinas antigas que já teriam seus investimentos amortizados, determina valores cerca de dez vezes menores dos obtidos pelas usinas Ilha Solteira e Jupiá, adquiridas pelo grupo chinês.

A tarifa vai subir, o critério deu uma cambalhota… e fica tudo por isso mesmo. Não há celulares suficientes para gravar o Brasil real.

x

Check Also

A Petrobrás na contramão

Por Eugênio Miguel Mancini Scheleder Engenheiro aposentado da Petrobras. Artigo publicado no sítio da Associação ...