O lado escuro da Cosmologia

lado-B01

É uma bela teoria: o modelo padrão da Astronomia descreve o Universo usando apenas seis parâmetros. Mas isso é estranho. O modelo prediz que a matéria escura e a energia escura – duas entidades misteriosas que nunca foram detectadas – são responsáveis por 95% do Universo, deixando apenas 5% de sua existência composta de matéria ordinária, tão essencial à nossa existência. 

Em um artigo publicado na primeira semana de março na revista Science, o astrofísico David Spergel, da Universidade Princeton, sintetizou a maneira como os astrônomos chegaram à conclusão de que estamos rodeados por matéria e energia que não podemos ver. Observações de galáxias, supernovas e da temperatura do Universo, entre outras coisas, levaram pesquisadores a concluir que o Universo é majoritariamente uniforme e plano, mas está em expansão devido a um fenômeno desafiador, batizado de “energia escura”. A taxa de expansão é crescente ao longo do tempo, contrariando a força de atração da gravidade. Essa última observação, diz Spergel, implica que se você jogasse uma bola para cima, ela iria acelerar para longe de você.

Um grande número de experimentos para detectar a matéria e a energia escuras está sendo realizado e muitos pesquisadores alegam ter encontrado partículas de matéria escura, ainda que seus resultados sejam controversos. Novas evidências são esperadas para os próximos anos, a partir das atividades do Grande Colisor de Hádrons, o mais poderoso acelerador de partículas do mundo, que pode fornecer evidências para uma teoria proposta, a “super-simetria”, que pretende explicar as partículas escuras.

Mas explicar a energia escura e o porquê de o Universo estar acelerando é um problema mais difícil. Ao longo da próxima década, poderosos telescópios entrarão em operação para mapear a estrutura do Universo, e traçar a distribuição da matéria ao longo dos últimos 10 bilhões de anos, fornecendo novos insights sobre a aceleração cósmica.

Ainda assim, somente as observações não serão suficientes, de acordo com Spergel. Uma total compreensão irá demandar novas idéias sobre a Física, talvez mesmo uma nova teoria da gravidade, possivelmente, incluindo novas dimensões. “Nós precisaremos de uma nova ideia tão profunda quanto a relatividade geral para explicar esses mistérios.”

Quando isso ocorrer, a nossa compreensão sobre o lado escuro da Astronomia não irá mais se afastar aceleradamente de nós.

Catherine Zandonella, jornalista científica. Artigo originalmente publicado no sítio Phys.org, em 6 de março de 2015.

x

Check Also

Embraer: hora de o Estado agir com inteligência e ousadia

Por Luís Felipe Giesteira, Thiago Caliari e Marcos José Barbieri Ferreira* É difícil superestimar a ...