Rússia mostra como se deve lidar com “salvadores do planeta”

Em cada oportunidade, a Federação Russa demonstra que perdeu, definitivamente, a paciência com as organizações não-governamentais estrangeiras que atuam ou tentam atuar em seu território. Depois de aprovar uma severa lei que restringe bastante as suas ações, o governo russo surpreendeu os militantes do Greenpeace, acostumados a perpetrar impunemente as suas espalhafatosas e midiáticas “ações diretas” em outros países, ao deter todos os ativistas embarcados no navio Arctic Sunrise, depois que alguns deles escalaram uma plataforma petrolífera da estatal Gazprom, no Mar de Pechora, em protesto contra a exploração de petróleo no Ártico. Os 28 militantes da ONG foram acusados de pirataria pela justiça russa e encontram-se detidos em Murmansk, desde 18 de setembro, aguardando a decisão do tribunal sobre a aceitação da acusação, que prevê penas de até 15 anos de prisão.

Entre os detidos, encontra-se a bióloga gaúcha Ana Paula Maciel, que tem recebido referências quase diárias na mídia brasileira e mereceu até mesmo a atenção da presidente Dilma Rousseff, que afirmou via Twitter ter solicitado ao chanceler Luiz Alberto Figueiredo um “contato de alto nível” com o governo russo, para que seja encontrada uma “solução” para o caso.

Além da presidente, o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, recebeu por 40 minutos a mãe da bióloga, Rosângela Maciel, na segunda-feira 14 de outubro, e lhe prometeu estudar o envio de uma “comitiva” à Rússia para visitar a sua filha, na qual ela poderia ser incluída. À saída do encontro, seu marido, Jaires Maciel, lamentou: “É uma gaúcha que precisa voltar para casa, afinal ela só estava lutando por sonhos e por aquilo que acredita, e isso não é crime em lugar nenhum no mundo (Agência Estado, 14/10/2013).”

Anteriormente, a mãe já havia defendido a filha: “A guria só quer salvar o planeta (Zero Hora, 9/10/2013).”

De fato, lutar por sonhos e pelo que se acredita não é crime em lugar algum, mas apoiar ações ilícitas que incorrem em prejuízos e riscos para terceiros (e para si próprios), como escalar plataformas de petróleo em alto mar, só se enquadra em tal categoria em um ambiente de permissividade “politicamente correta”, em que ações como as do Greenpeace são percebidas como positivas, em vez de consideradas como autênticas ações de guerra irregular contra certos alvos estratégicos de interesse dos mentores do ambientalismo internacional. Ao contrário da maioria dos governos, o Kremlin tem esta percepção e tem se mostrado disposto a operacionalizá-la.

Quanto à candidata a “salvadora do planeta”, ela merece toda a atenção diplomática que qualquer outro cidadão brasileiro às voltas com a justiça de um país estrangeiro, mas os chefes dos Executivos federal e estadual, certamente, têm preocupações bem mais sérias para ocupar as suas atenções. Aliás, é exatamente porque as autoridades brasileiras têm sido submissas à agenda dos movimentos ambientalista e indigenista internacionais, que o País está às voltas com uma sucessão de problemas nos setores de infraestrutura, em projetos obstaculizados, obras atrasadas e encarecidas e outros, além de enfrentar conflitos motivados pela sanha de demarcações de terras indígenas, muitas delas com pretextos mais que questionáveis, que avançam sobre propriedades produtivas estabelecidas e, em muitos casos, legalizadas há décadas.

Como a legislação russa determina que o tribunal de Murmansk deve se manifestar em até 60 dias sobre a aceitação da acusação contra os “salvadores do planeta”, o mais provável é que eles fiquem detidos por este prazo – até o próximo dia 24 de novembro – e, depois, sejam libertados, mesmo que tenham que responder a um processo. Mas, de qualquer maneira, seguramente, o Greenpeace deverá ficar mais cauteloso antes de planejar futuras ações no território da Federação Russa. Pena que o exemplo não seja seguido por outros países, especialmente, alguns situados ao sul do equador.

2 comments

  1. Observado desde fora do Brasil: Veja que ate os EUA ficam sem muito interes na libertade destos “Greenpeace” agentes, porque os EUA nao querem que mexam na America do Norte (EUA -Canada- Mexico) contra os projetos petroleros no Artico e no Golfo , nem contra o petroleoducto Keystone X desde Alberta/Canada a Houston/Texas, muito menos contra o “hydraulic fracking” para gas xiste. Mas geralmente, os EUA, Bretanha, Alemanha, Franca usam suas ONGs (miles !) para subvertir os programas de energia e nucleares na America Latina, Asia, Africa, Russia. Exemplo a usina nuclear Kundankulam na India: Ate que o Primeiro Ministro Singh queixou em 2012 no jornal “Science”: “Os EUA nao apreciam a necesidade da India pela energia!” Agora , 2013 ,o “Home Ministry” (Ministerio de Interior da India) – tem proibido a 4,144 ONGs de EUA, Bretanha, Alemanha, Franca que estao ativas na India, de receber mais financiamento “desde fora da India” devido a: “Activities against the national interests of India”. No Brasil a na India, a ONG “International Rivers” de California quer parar as hidrelectricas como Belo Monte. No Brasil o austriaco bispo catolico Erwin Kraeutler quer parar a Usina Belo Monte, e na India o bispo catolico Ivon Ambrois quer parar o Usina Kundankulam. ONGs de EUA, Bretanha, Franca, Alemanha tambem estao ativas no Brasil, India, e Russia, apoiando separatistas etnicos contra os governos nacionais. (Na prensa da India buscar por: “News Bharati Kundankulam Effect”: “Government cracks down of foreign NGOs”.) Alerta: A “Esquerda Falsa” de Alemanha esta apoiando a preparacao de “Protestos Antinucleares 2014 no Brasil” pela “Articulacao Antinuclear Brasileira” dirigida por CECILIA MELLO. O “dirigente ativista” alemao CHRISTIAN RUSSAU em Berlim tem anunciado isto num articulo no blog “latin@rama” do diario “ambientista” “taz.de”. ( Os “protestos de Junho 2012” foram anunciados pela “Esquerda Falsa” alema em Maio 2012 ! Veja: “Recht auf Stadt amerika21”. Maio 20, 2012).

  2. E interesante analisar os oposicionistas extrangeiros contra o desenvolvimento do Brasil: No caso dos CONTRAS que querem parar Belo Monte – um verdadeiro bestiario exotico: Sao da Alemanha, Austria, EUA, exilio do Ira, Bretanha, Canada, Franca, Escandinavia. Exemplo os austriacos Arnold Schwarzenegger e o Bispo Catolico Erwin Kraeutler, Gerhard Dilger (Austriaco ou da Bavaria) agente geopolitico da “Fundacao Rosa Luxemburg” (Partido Esquerda Falsa Alemanha). Da Canada o produtor de “Avatar” James Cameron (veja video “James Cameron Hypocrite”), dos EUA : Bill Clinton (na lista da ABIN com “Clinton Global Initiatives”). Do exilio do Ira : Na California – Atossa Soltani (Amazon Watch , financiada por milionarios do exilio do Ira nos EUA), Na Alemanha: Niema Movassat, filho de exiliados do Ira, deputado federal do Partido “Linke” (Esquerda Falsa Alemanha), Dawid Bartelt, agente geopolitico da “Fundacao Heinrich Boell” (Partido Verde Alemanha). Christian Russau (propagandista principal do eixo “verde & esquerda falsa” em Alemanha contra todo desenvolvimento no Brasil) Tambem ha algums Escandinavos, Franceses, Suizos, Nederlandeses. Ha centenas de ONGs ativas contra todo desenvolvimento no Brasil (e Sul-America) da Alemanha, Bretanha, Austria, EUA, Canada, Franca, Nederlanda, Noruega, Suecia, Suiza. Os mais agressivos CONTRAS sao as ONGs da Alemanha.

x

Check Also

Neocolonialismo “verde” mostra suas garras

A União Europeia (UE) escancarou definitivamente a sua intenção de empregar os temas ambientais como ...