Putin reafirma o renascimento cristão da Rússia

O discurso do presidente Vladimir Putin, por ocasião da celebração do 1030º aniversário do batismo da Rússia, em 28 de julho, foi uma demonstração marcante do renascimento cristão da Rússia. “O batismo da Rus foi uma grande transformação na nossa história, um evento acelerador da civilização, transformador da fortaleza espiritual. Ele determinou o caminho longo de séculos da Rússia e influenciou o desenvolvimento global”, afirmou Putin.

Na mensagem, ele exaltou a figura do Santo Príncipe Vladimir de Kiev (958-1015), que viu o batismo como um “apoio moral, de beleza, a luz da verdade e da virtude e a base da renovação, para uma maior unidade e comunidade dos povos que viviam na antiga Rus. Um guerreiro que experimentou duras batalhas e provas, Vladimir se converteu em um iluminador, um criador. Sob a sua liderança, ergueram-se igrejas e monastérios, cidades, escolas e bibliotecas. O batismo foi o ponto de partida para o progresso do Estado russo, o verdadeiro nascimento espiritual dos nossos antepassados, a definição de sua identidade, a grande época da cultura e da educação nacional, assim como o fomento de vínculos multifacetados com outros países”.

Para Putin: “Os povos que abraçaram as verdades cristãs atingiram alturas sem precedentes na política, na arte, na literatura, na ciência e na atividade económica, receberam uma colossal experiência de unidade, que mais de uma vez salvou, fortaleceu e respaldou a nossa Pátria, nas piores convulsões históricas. O maior legado espiritual é atemporal. É nosso dever sagrado conservá-lo e melhorá-lo para as gerações futuras. E é de grande importância que a sociedade moderna fortaleça os seus alicerces morais.”

Perceptivelmente, Putin, não celebrava apenas um fato histórico, mas exaltava as bases sobre as quais a Rússia atual vem recuperando a sua história espiritual. Como há um milênio, a esta recuperação ocorre em estreita sinergia com a Igreja Ortodoxa Russa. A magnitude deste renascimento se vê na edificação de 24 mil novas paróquias, cinco academias teológicas, 32 seminários e duas universidades. Em paralelo, Putin e seus aliados criaram o Clube de Discussões de Valdai, em 2004, como um fórum de discussões estratégicas, cujos trabalhos são pautados pelo objetivo explícito de recuperar a espiritualidade interior da nação.

O que a Rússia pós-comunista está redescobrindo é que, sem os valores basilares do cristianismo e de outras religiões e os seus padrões morais associados, não há como se preservar a dignidade humana, nem tampouco se encontrar o caminho para a construção da paz e da cooperação necessárias para a superação da presente crise da civilização. As nações, como o Brasil, que lutam por edificar novos projetos nacionais de desenvolvimento e posições protagonistas no novo cenário global, deveriam prestar a devida atenção.

x

Check Also

Santa Sofia e Jerusalém, duas faces da mesma moeda do “choque das civilizações”

Em 10 de julho, o presidente turco Recep Erdogan anunciou em cadeia nacional de televisão ...